O que é Engenharia Social e como se proteger dos ataques cibernéticos?

Entender o que é Engenharia Social e todos os impactos que esse método de ataque web pode ocasionar à sua empresa é de extrema importância, pois, esse artificio pode causar a perda de arquivos, a danificação de máquinas, prejuízos financeiros, entre outros diversos malefícios a uma companhia.

Por meio da Engenharia Social uma pessoa de má índole pode obter informações sigilosas, usando técnicas de persuasão e métodos desonestos para induzir os usuários a fornecerem seus dados, clicarem em links ou baixarem arquivos infectados por vírus.

Assim, para entender um pouco mais sobre o assunto, reunimos informações importantes a respeito da Engenharia Social. Leia o texto e fique por dentro!

O que é Engenharia Social e como funciona os ataques?

Primeiramente, é imprescindível entender a diferença entre um ataque hacker e a engenharia social.

O trabalho do hacking tradicional compromete softwares e sistemas, já a engenharia social pode-se dizer que é o método anterior a isso – baseia-se em ações tomadas pelos usuários que confiaram em um serviço ou mensagem falsa e, após isso, compartilharam seus dados e informações.

A Engenharia Social é uma prática comum para obter acesso às organizações através da exploração de confiança, negligência das pessoas ou enganação, dessa forma, ela é considerada um ataque passivo, a qual não utiliza violência ou força bruta, mas que pode causar danos graves.

Os ataques, em sua maioria, é feito por um cibercriminoso que consegue infiltrar-se dentro da empresa, roubar credenciais ou até mesmo passar-se por um funcionário. Assim, ele se aproxima de pessoas honestas que fornecem informações sigilosas por meio de ferramentas online – e-mails, redes sociais, chats, etc. – ou acessam anexos, links e softwares infectados.

Quem é o Engenheiro Social?

Diferente do que pode-se imaginar ao pensar em um engenheiro social, ele não é um profissional de engenharia exata.

Geralmente, essa pessoa tem boa comunicação, sabe usar técnicas de persuasão, consegue assumir diferentes personalidades e não mede esforços para aplicar todos os métodos possíveis para absorver o máximo de informações da sua vítima com o uso de recursos emocionais.

Quais são as vítimas?

Qualquer pessoa pode ser alvo de um ataque de Engenharia Social, porém, as mais ameaçadas são as organizações públicas e privadas, devido à quantidade de informações armazenadas por elas.

Por este motivo, nessas empresas é imprescindível ter pessoas e ferramentas preparadas para identificar e combater ameaças desta natureza.

Outro ponto que vale destacar, é que, normalmente, os criminosos deixam pouco ou nenhum rastro o que dificulta ainda mais o reconhecimento de um ataque, bem como as ações aplicadas e prejuízos causados. Por isso, é fundamental adotar procedimentos preventivos para proteger seus dados.

Principais tipos de ataques

Conheça os tipos mais comuns de ataques de Engenharia Social:

  • Baiting

Normalmente, o engenheiro social, nesse tipo de ataque, deixa um pen-drive ou CD infectado com malware em um lugar estratégico, para despertar a curiosidade dos funcionários de uma empresa.

Em seguida, o indivíduo insere esse dispositivo em um computador da organização, instala o vírus de forma despercebida acessando um arquivo qualquer e essa ação faz cibercriminoso tenha acesso a vários documentos sigilosos.

  • Phishing

O phishing é o ato de fazer com as vítimas forneçam informações pessoais, financeiras ou da sua empresa, por meio de comunicações que utilizam nomes de fontes confiáveis. Além disso, essa é uma das técnicas mais comuns na Engenharia Social por seu alto nível de eficiência.

Para aplicar o phishing podem ser usados, por exemplo, e-mails, mensagens no Facebook, chat do Whatsapp, ligações telefônicas, entre outros recursos.

Um aspecto que deve ser ressaltado é seu poder de persuasão através de mensagens convincentes, semelhantes a comunicados oficiais de grandes empresas, campanhas recorrentes e/ou discursos que o usuário já tenha recebido anteriormente.

Nesses casos, os objetivos da ações são convencer o usuário a fornecer informações, realizar doações ou pagamentos em dinheiro, baixar programas ou acessar links contaminados.

  • Pretexting

Essa técnica utiliza a coação como método de ataque. Desta maneira, o hacker se aproxima da vítima usando informações prévias que ele obteve em perfis de redes sociais ou compartilhadas na internet e, em seguida, com argumentos convincentes, leva o usuário a divulgar outros dados mais importantes.

Um bom exemplo de aplicação desse tipo de Engenharia Social é quando o criminoso, em uma ligação telefônica ou mensagem, pede que o indivíduo confirme seus dados e credenciais para acessar um site ou programa específico.

  • Quid pro quo

Ataques do tipo quid pro quo ocorrem quando há uma troca de algo por informações sensíveis. Nestes casos, o indivíduo recebe a oferta de algum brinde, presente, desconto ou até solução de um problema, em troca de dados sigilosos e acesso às suas contas na web.

  • Spear-phishing

O spear-phishing, como o próprio nome pode denotar, é uma extensão do phishing, sendo a diferença entre um e outro o público-alvo de cada ataque – o spear-phishing foca no mercado corporativo, por isso, utiliza técnicas mais sofisticadas para persuadir suas vítimas.

Para aplicar o ataque, o engenheiro social se apresenta como um executivo da organização e, assim, aborda funcionários usando informações que são encontradas facilmente na internet.

Devido à hierarquia presente dentro das empresas, normalmente, os funcionários acabam realizando o que é solicitado – transações financeiras, compartilhamento de informações, etc. – porém, isso são sinais que devem ser observados e prevenidos para evitar prejuízos para a sua empresa.

  • Tailgating

O tipo de ataque tailgating ocorre quando pessoas não autorizadas conseguem acessar locais ou máquinas para instalar malwares e obter informações sensíveis.

Para isso, o criminoso pode pedir um smartphone ou computador emprestado, ou entrar em um local com a autorização de outra pessoa.

Como se proteger da Engenharia Social dentro da empresa?

Para se proteger dos ataques de Engenharia Social em sua companhia você pode: conscientizar os colaboradores da sua empresa sobre esses tipos de ataques, utilizar mecanismos de segurança, tanto físicos quanto onlines, implementar políticas de segurança da informação, adotar um descarte de dados mais responsável, entre outros diversos métodos.

A partir das informações fornecidas no artigo, esperamos que você tenha entendido o que é Engenharia Social e todas as formas para evitar ataques cibernéticos.

Quer saber mais sobre serviços online seguros? Conheça a computação em nuvem.

Ficou alguma questão? Acesse o nosso site ou deixe uma mensagem nos comentários.