O que é computação em nuvem? Conheça a história e todos os detalhes desse serviço

Computação em nuvem ou cloud computing, em inglês, é algo que vem sendo discutido há mais de 50 anos. O conceito foi criado por dois grandes especialistas da área, J.C.R. Licklider e John McCarthty, e foi usado pela primeira vez, em uma palestra acadêmica, pelo professor de sistemas de informação, Ramnath Chellappa, em 1997.

Reconhecidos como os grandes pioneiros dessa criação, os estudiosos possuíam visões diferentes a respeito do termo, J.C.R. Licklider imaginava a computação na forma de uma rede global e John McCarthty a definia como uma utilidade pública.

O que é computação em nuvem? Conheça a história e todos os detalhes desse serviço

Hoje, entre as várias vantagens da computação em nuvem, a principal é trazer as empresas mais agilidade para atingir seus objetivos. Enquanto, antes, existia a necessidade de instalar um conjunto de softwares para cada computador, atualmente, é necessário fazer apenas login em um serviço na web onde terá todos os programas que o usuário precisa hospedados.

Além disso, com a cloud computing as empresas podem reduzir seus custos com infraestrutura, ter economia de espaço físico, centralizar suas informações e aumentar ou diminuir o consumo de dados, conforme for necessário. E mais: o serviço oferece maior qualidade na segurança, atualização automática do servidor e melhor usabilidade das plataformas.

Devido aos inúmeros benefícios, a computação em nuvem se tornou a escolha perfeita de muitas empresas, por isso, trouxemos algumas informações importantes sobre o recurso, neste artigo. Confira!

O que é computação em nuvem?

Computação em nuvem é o compartilhamento de recursos, software e informações por meio da internet. Com a tecnologia, os dados são armazenados em servidores físicos, mantidos e controlados por um provedor, o que diminui a carga de trabalho dos computadores e, consequentemente, diminui a alta demanda em hardware e software.

Tudo que estiver na nuvem pode ser acessado, em qualquer parte do mundo e em qualquer hora, sem a necessidade de conectar-se a um computador pessoal ou servidor local. Basta apenas ter um navegador, conexão com a internet e o login e senha da conta que você quer utilizar – para a sua segurança, não compartilhe seus dados.

Um exemplo prático do uso do cloud computing é editar um arquivo no Google Docs, ouvir uma música no Deezer ou responder um e-mail recebido em seu Gmail. Todas as ações citadas, teve contato direto com a computação em nuvem, pois, para acessar sua conta, você não precisou baixar ou instalar programas em seu computador, apenas a acessou por meio de um login.

Como funciona o serviço?

Agora que sabe o que é computação em nuvem, vamos te explicar como funciona para adotar o serviço em sua empresa.

Na hora de contratar um plano, verifique as opções de pacotes disponíveis no mercado, de acordo com o valor que você pretende pagar e também a necessidade da sua empresa. Lembrando que, caso seja necessário aumentar a capacidade de armazenamento ou o número de usuários com acesso, a mudança de plano pode ocorrer de forma simples.

Depois de decidir qual opção será contratada, prepare-se para migrar os dados e arquivos da sua empresa para a nuvem.

A partir da finalização dessa tarefa, seus documentos empresariais poderão ser acessados virtualmente e mesmo que não esteja próximo ao seu computador – se estiver de férias, do outro lado do planeta, tiver apenas o celular ou surgir uma emergência – você terá a opção de visualizá-los, de forma segura.

A cloud computing aumenta a sua mobilidade, facilitando o seu dia a dia e excluindo a necessidade de transportar pastas e documentos para todos os lugares que você for. Afinal, é só colocar tudo na nuvem!

Outra funcionalidade que vale ressaltar, é a possibilidade da sua equipe editar e alterar documentos simultaneamente. Devido ao armazenamento online do arquivo, o funcionário que trabalha em São Paulo e o funcionário que está em Salvador, por exemplo, podem ver e editar textos, planilhas ou apresentações, na mesma hora.

Além disso, algumas empresas que terceirizam o serviço de computação em nuvem, garantem os backups, as atualizações e toda a segurança necessária para os seus dados.

Os modelos de computação em nuvem

Outro fator importante a ser considerado no momento de contratação do serviço de computação em nuvem é o modelo mais adequado para a sua empresa.

Hoje, existem três tipos específicos de cloud computing, e cada um deles apresentam características singulares e vantagens próprias.  Por isso, se você tem uma empresa e planeja usar uma tecnologia como essa, é importante conhecer todas as opções antes de decidir a que irá contratar.

  • Privado

O modelo privado é ideal para a empresa que precisa de um serviço personalizado – diferenciação de funções e suportes – e mais seguro.  De maneira geral, o modelo oferece para a empresa mais controle sobre sua infraestrutura.

Esse tipo é recomendado para instituições financeiras e governamentais.

  • Público

O modelo público é o padrão e mais econômico. É fornecido por terceiros e disponíveis para quem quiser contratá-los. Usando a categoria pay-per-use, esse tipo faz com que a empresa contratante pague apenas o quanto usar dos recursos.

Porém, nesse caso, é o cliente que fica responsável pelas transferências que ocorrem na nuvem – backup, aplicativo ou arquivos –, ficando a cargo da empresa terceirizada as responsabilidades do provedor, como a manutenção, segurança e gerenciamento.

Esse tipo é recomendado para empresas que desejam economizar investimentos.

  • Híbrido

Já o modelo híbrido é a união dos dois anteriores – público e privado –e permite que os dados e as aplicações sejam transmitidos entre os dois tipos de nuvem.

Manter os dois modelos à disposição da empresa é vantajoso, pois, assim, os arquivos e dados podem ser usados em qualquer uma das nuvens, de acordo com a necessidade e estratégia do negócio.

Neste caso, o modelo híbrido é sugerido para empresas que precisam aumentar a capacidade do seu servidor esporadicamente.

Agora que você sabe o que é computação em nuvem e conhece todos os benefícios que essa tecnologia oferece para você e sua empresa, analise qual o melhor modelo para sua empresa e faça sua escolha!

Se você quiser aprender mais sobre o assunto, confira nosso artigo que indica 8 livros sobre cloud computing.

Ficou alguma dúvida ou quer saber mais sobre os serviços que utilizam cloud computing? Acesse o nosso site ou deixe uma mensagem nos comentários.

8 livros sobre computação em nuvem que você precisa ler!

A área de Cloud Computing tem gerado grandes benefícios para as empresas devido ao tempo e dinheiro economizados e o aumento da produtividade que ela traz às organizações. Por isso, é importante que os profissionais de TI estudem sobre o assunto e conheçam as soluções oferecidas pelo serviço. Assim, eles estarão prontos para propor alternativas inovadoras e mostrar que estão por dentro das novidades do mercado.

Pensando nisso, a leitura pode ser uma ótima fonte para adquirir conhecimento e atualizar conceitos importantes do setor de tecnologia. Confira as nossas indicações de livros sobre computação em nuvem.

1. Cloud Computing – Computação em Nuvem

Autor: Cezar Taurion

Editora: Brasport

Idioma: Português

Um ótimo livro para quem está começando e quer entender um pouco mais sobre o surgimento da teoria de Cloud Computing, alguns conceitos básicos, e os principais tipos e pilares da nuvem.

Descrição: “Com a computação em nuvem a internet passa a ser o repositório de arquivos digitais e as pessoas podem criar seus documentos, fotos e arquivos sem precisar instalar qualquer software em sua máquina.

A proposta deste livro é explorar e debater os principais aspectos do uso da computação em nuvem, suas potencialidades e restrições, suas tecnologias e aplicabilidades. O livro concentra sua atenção nas aplicações e no uso prático no contexto dos usuários corporativos e seus desafios frente a este novo modelo computacional.”

2. Cloud Computing – Uma abordagem prática

Autores: Anthony T. Velte; Toby J. Velte; Robert C. Elsenpeter.

Editora: Alta Books

Idioma: Português

Neste livro, os autores conseguem em 327 páginas abordar de uma forma didática e bem orquestrada uma série de tópicos e tecnologias que envolvem a computação em nuvem.

Descrição: “O livro fornece uma visão compreensiva no paradigma emergente dos serviços e aplicativos baseados em internet. De linguagem acessível, a obra oferece uma ampla introdução à computação em nuvem, revisa uma grande variedade de soluções atuais e discute sobre economia de custos e benefícios operacionais e empresariais.

Você encontrará detalhes em tópicos essenciais, tais como hardware, plataforma, padrões, migração, segurança e armazenamento, além de aprender o que outras empresas estão fazendo e aonde elas vão com a computação em nuvem.”

3. Cloud Computing – Tecnologias estratégicas

Autores: Brian J.S Chee; Curtis Franklin Jr.

Editora: M. Books

Idioma: Português

O livro mostra que a computação moderna não está mais relacionada a dispositivos, mas sim como provedor de serviços, uma evolução natural que tanto os consumidores quanto as empresas estão ávidos por abraçar.

Descrição: “O conteúdo busca responder às dúvidas de profissionais experientes de TI sobre como a computação em nuvem pode ser incorporada pelas organizações para entrega de aplicações corporativas.

Para que haja uma interpretação correta, os autores apresentam um relato histórico sobre desenvolvimento da infraestrutura de TI antes da nuvem até os dias atuais, passando pelos conceitos e tipos de serviços.”

4. Enciclopédia da Nuvem – 100 oportunidades e 550 ferramentas online

Autores: Luli Radfahrer

Editora: Campus

Idioma: Português

Este livro apresenta ideias, ferramentas e serviços digitais para aumentar a eficiência de empresários, estudantes e gestores de equipes e de informação para os desafios nesse mercado digital e conectado. É considerado um guia para maximizar os negócios em nuvem.

Descrição: “As plataformas em nuvem alavancam inovações e fornecem ambientes altamente escaláveis que podem ser utilizados pelas organizações de forma poderosa.

Neste livro, o professor Luli Radfahrer, Ph.D. em comunicação digital pela Escola de Comunicação (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), oferece aos leitores um material de referência abrangente e amplo, cobrindo diversas áreas e exemplos práticos de atuação, com 100 cases e 500 ferramentas e serviços digitais de eficiência comprovada.”

5. Cloud Computing – Nova arquitetura da TI

Autores: Manoel Veras

Editora: brasport

Idioma: Português

Um livro para quem gosta de conhecer tecnicamente cada conceito. Nele você terá toda a arquitetura de Tecnologia de Informação, principais desafios, definição de IaaS, PaaS, SaaS e modelos públicos, privados e hibrido.

Descrição: “A publicação aborda aspectos e conceitos importantes que contribuem para a formação de profissionais na área de Tecnologia da Informação (TI) com foco na nova arquitetura Cloud Computing. A estratégia adotada para abordar um assunto ainda tão novo se deu a partir do genérico, associando-a à arquitetura empresarial, apontando seus benefícios e riscos, e orientando a tomada de decisão no uso desta nova ferramenta.”

6. Arquitetura na Nuvem – Amazon Web Services (AWS)

Autores: Manoel Veras

Editora: Brasport

Idioma: Português

A publicação utiliza a plataforma Amazon Web Services AWS para o desenho da arquitetura. Ela é abordada em detalhes e de forma estruturada.

Descrição: “O livro traz uma abordagem sobre a construção de um Datacenter utilizando a arquitetura de nuvem, através de aspectos e conceitos importantes que contribuem para a formação de profissionais na área de Tecnologia da Informação.

A estratégia adotada foi estruturar o livro em três grandes partes: Aspectos Básicos, com conceitos, infraestrutura, precificação, identidade e acesso; Serviços de Infraestrutura, sobre os serviços de computação, armazenamento, rede, banco de dados e gerenciamento; Aspectos Avançados, cobrindo desenho da arquitetura, governança, segurança e continuidade.”

7. Computação em Nuvem – Transformando o mundo da Tecnologia da Informação

Autores: Cezar Taurion

Editora: Brasport

Idioma: Português

Descrição: “De autoria de Cezar Taurion, ex-gerente de novas tecnologias da IBM Brasil, o livro explora os vários ângulos da Cloud Computing, suas potencialidades, desafios de implementação e como as empresas podem transformar negócios com soluções em nuvem. A obra discorre sobre aplicações práticas e impactos na adoção da tecnologia no Brasil e exterior.”

8. Cloud Computing: Concepts, Technology & Architecture Technology Series from Thomas Erl

Autores: Thomas Erl; Ricardo Puttini; Zaigham Mahmood.

Editora: Prentice Hall

Idioma: Inglês

Um livro que abrange uma ampla variedade de aspectos relacionados a provedores e consumidores de nuvem. O livro tem uma estrutura clara para facilitar a compreensão dos vários conceitos de cloud computing, abordando o assunto de forma acadêmica.

Descrição: “Nuvens são plataformas tecnológicas distribuídas que aproveitam inovações sofisticadas para fornecer ambientes altamente escaláveis ​​e resilientes que podem ser utilizados remotamente pelas organizações de várias maneiras poderosas. Desenvolver, integrar ou criar um ambiente de nuvem com sucesso requer uma compreensão de suas mecânicas internas comuns, camadas de arquitetura e modelos, bem como um entendimento dos fatores econômicos e de negócios que resultam da adoção e do uso no mundo real de serviços baseados em nuvem.”

A partir da leitura dos livros sobre computação em nuvem, indicados neste artigo, esperamos que você possa aprender um pouco mais sobre o mundo de cloud computing. E, se você quiser ler mais sobre o assunto, confira um artigo exclusivo que aborda esse tema.

Caso tenha alguma sugestão de livro ou queira saber mais sobre os serviços da Woclo, acesse nosso site ou deixe uma mensagem nos comentários.

O que é Engenharia Social e como se proteger dos ataques cibernéticos?

O que é Engenharia Social e como se proteger dos ataques cibernéticos?

Entender o que é Engenharia Social e todos os impactos que esse método de ataque web pode ocasionar à sua empresa é de extrema importância, pois, esse artificio pode causar a perda de arquivos, a danificação de máquinas, prejuízos financeiros, entre outros diversos malefícios a uma companhia.

Por meio da Engenharia Social uma pessoa de má índole pode obter informações sigilosas, usando técnicas de persuasão e métodos desonestos para induzir os usuários a fornecerem seus dados, clicarem em links ou baixarem arquivos infectados por vírus.

Assim, para entender um pouco mais sobre o assunto, reunimos informações importantes a respeito da Engenharia Social. Leia o texto e fique por dentro!

O que é Engenharia Social e como funciona os ataques?

Primeiramente, é imprescindível entender a diferença entre um ataque hacker e a engenharia social.

O trabalho do hacking tradicional compromete softwares e sistemas, já a engenharia social pode-se dizer que é o método anterior a isso – baseia-se em ações tomadas pelos usuários que confiaram em um serviço ou mensagem falsa e, após isso, compartilharam seus dados e informações.

A Engenharia Social é uma prática comum para obter acesso às organizações através da exploração de confiança, negligência das pessoas ou enganação, dessa forma, ela é considerada um ataque passivo, a qual não utiliza violência ou força bruta, mas que pode causar danos graves.

Os ataques, em sua maioria, é feito por um cibercriminoso que consegue infiltrar-se dentro da empresa, roubar credenciais ou até mesmo passar-se por um funcionário. Assim, ele se aproxima de pessoas honestas que fornecem informações sigilosas por meio de ferramentas online – e-mails, redes sociais, chats, etc. – ou acessam anexos, links e softwares infectados.

Quem é o Engenheiro Social?

Diferente do que pode-se imaginar ao pensar em um engenheiro social, ele não é um profissional de engenharia exata.

Geralmente, essa pessoa tem boa comunicação, sabe usar técnicas de persuasão, consegue assumir diferentes personalidades e não mede esforços para aplicar todos os métodos possíveis para absorver o máximo de informações da sua vítima com o uso de recursos emocionais.

Quais são as vítimas?

Qualquer pessoa pode ser alvo de um ataque de Engenharia Social, porém, as mais ameaçadas são as organizações públicas e privadas, devido à quantidade de informações armazenadas por elas.

Por este motivo, nessas empresas é imprescindível ter pessoas e ferramentas preparadas para identificar e combater ameaças desta natureza.

Outro ponto que vale destacar, é que, normalmente, os criminosos deixam pouco ou nenhum rastro o que dificulta ainda mais o reconhecimento de um ataque, bem como as ações aplicadas e prejuízos causados. Por isso, é fundamental adotar procedimentos preventivos para proteger seus dados.

Principais tipos de ataques

Conheça os tipos mais comuns de ataques de Engenharia Social:

  • Baiting

Normalmente, o engenheiro social, nesse tipo de ataque, deixa um pen-drive ou CD infectado com malware em um lugar estratégico, para despertar a curiosidade dos funcionários de uma empresa.

Em seguida, o indivíduo insere esse dispositivo em um computador da organização, instala o vírus de forma despercebida acessando um arquivo qualquer e essa ação faz cibercriminoso tenha acesso a vários documentos sigilosos.

  • Phishing

O phishing é o ato de fazer com as vítimas forneçam informações pessoais, financeiras ou da sua empresa, por meio de comunicações que utilizam nomes de fontes confiáveis. Além disso, essa é uma das técnicas mais comuns na Engenharia Social por seu alto nível de eficiência.

Para aplicar o phishing podem ser usados, por exemplo, e-mails, mensagens no Facebook, chat do Whatsapp, ligações telefônicas, entre outros recursos.

Um aspecto que deve ser ressaltado é seu poder de persuasão através de mensagens convincentes, semelhantes a comunicados oficiais de grandes empresas, campanhas recorrentes e/ou discursos que o usuário já tenha recebido anteriormente.

Nesses casos, os objetivos da ações são convencer o usuário a fornecer informações, realizar doações ou pagamentos em dinheiro, baixar programas ou acessar links contaminados.

  • Pretexting

Essa técnica utiliza a coação como método de ataque. Desta maneira, o hacker se aproxima da vítima usando informações prévias que ele obteve em perfis de redes sociais ou compartilhadas na internet e, em seguida, com argumentos convincentes, leva o usuário a divulgar outros dados mais importantes.

Um bom exemplo de aplicação desse tipo de Engenharia Social é quando o criminoso, em uma ligação telefônica ou mensagem, pede que o indivíduo confirme seus dados e credenciais para acessar um site ou programa específico.

  • Quid pro quo

Ataques do tipo quid pro quo ocorrem quando há uma troca de algo por informações sensíveis. Nestes casos, o indivíduo recebe a oferta de algum brinde, presente, desconto ou até solução de um problema, em troca de dados sigilosos e acesso às suas contas na web.

  • Spear-phishing

O spear-phishing, como o próprio nome pode denotar, é uma extensão do phishing, sendo a diferença entre um e outro o público-alvo de cada ataque – o spear-phishing foca no mercado corporativo, por isso, utiliza técnicas mais sofisticadas para persuadir suas vítimas.

Para aplicar o ataque, o engenheiro social se apresenta como um executivo da organização e, assim, aborda funcionários usando informações que são encontradas facilmente na internet.

Devido à hierarquia presente dentro das empresas, normalmente, os funcionários acabam realizando o que é solicitado – transações financeiras, compartilhamento de informações, etc. – porém, isso são sinais que devem ser observados e prevenidos para evitar prejuízos para a sua empresa.

  • Tailgating

O tipo de ataque tailgating ocorre quando pessoas não autorizadas conseguem acessar locais ou máquinas para instalar malwares e obter informações sensíveis.

Para isso, o criminoso pode pedir um smartphone ou computador emprestado, ou entrar em um local com a autorização de outra pessoa.

Como se proteger da Engenharia Social dentro da empresa?

Para se proteger dos ataques de Engenharia Social em sua companhia você pode: conscientizar os colaboradores da sua empresa sobre esses tipos de ataques, utilizar mecanismos de segurança, tanto físicos quanto onlines, implementar políticas de segurança da informação, adotar um descarte de dados mais responsável, entre outros diversos métodos.

A partir das informações fornecidas no artigo, esperamos que você tenha entendido o que é Engenharia Social e todas as formas para evitar ataques cibernéticos.

Quer saber mais sobre serviços online seguros? Conheça a computação em nuvem.

Ficou alguma questão? Acesse o nosso site ou deixe uma mensagem nos comentários.

Você sabe a relação entre cloud computing e big data? Descubra aqui!

Apesar de terem características e funções particulares, o Cloud Computing e Big Data são tecnologias que quando utilizadas em conjunto podem oferecer muitos benefícios para as empresas.

O termo Big Data refere-se a um grande volume de dados que precisam ser processados e armazenados, já o Cloud Computing é a solução que organiza e leva esses arquivos para a nuvem, tornando-os acessíveis virtualmente.

Para entender melhor o assunto e tirar todas as suas dúvidas, acompanhe o artigo e descubra todas as facilidades sobre esse novo jeito de guardar e acessar informações.

Você sabe a relação entre cloud computing e big data? Descubra aqui!

Vantagens que o Big Data oferece

Uma atividade muito comum, nos dias atuais, é a pesquisa por diversos assuntos (produtos, serviços, conceitos, etc.) nos mecanismos de busca disponíveis na internet, e parte desse processo ocorre através do Big Data.

Diariamente, são realizados milhares de acessos que definem o comportamento e os interesses do internauta, e todos esses dados, ao serem analisados pelas empresas, contribuem para a adoção de decisões estratégicas.

Assim, o Big Data é capaz de processar as informações coletadas em rede e trazer às organizações know-how para realizar melhorias em seus processos internos, tomar novas decisões e ter insights significativos para se destacar no mercado.

Em outras palavras, o Big Data permite que os dados virtuais sejam usados a favor da sua empresa.

Para entender como acontece todo esse processo, conheça os 3 conceitos centrais do Big Data (3Vs):

1. Volume

A capacidade de acessar um volume alto de informações é o atributo principal do Big Data.

A partir dele, a empresa consegue reunir dados sobre transações financeiras, páginas gerenciadas, mídias sociais, interesse em produtos, entre outras referências de diferentes categorias.

2. Velocidade

Considerando a enorme quantidade de dados e o tempo que a companhia possui para usar as informações ao seu favor, é imprescindível que todo o material coletado seja analisado com rapidez e precisão.

Sobre isso, o Big Data oferece uma velocidade inédita e exclusiva, garantindo o acesso aos arquivos em tempo real.

3. Variedade

Já o terceiro e último V aborda a variedade de formatos que os dados podem apresentar ao serem depositados no ambiente online.

Nesse quesito, o Big Data permite que sejam encontradas oportunidades e ameaças para as empresas mesmo em arquivos com configurações e dimensões distintas (áudios, e-mails, textos, imagens, vídeos, etc.).

Benefícios do Cloud Computing

O cloud computing, também conhecido como computação em nuvem, é um conceito que vem sendo estudado há anos por profissionais da área de Tecnologia da Informação.

O termo foi criado a partir das tecnologias Data Center e SOA (Service-Oriented Architecture), serviços de infraestrutura e distribuição de sistemas, e, a cada dia, se torna mais popular no mercado.

Esse serviço tem como função armazenar e gerenciar arquivos, programas e informações na rede. Além disso, a solução permite que os dados fiquem acessíveis às pessoas autorizadas – independente do lugar onde elas estão e apenas com o uso da internet – e também realiza diferentes tarefas sem ocupar nenhum espaço físico.

De maneira geral, o cloud computing será o responsável por tratar as informações recebidas pelo Big Data. A partir dele, serão criados documentos e arquivos de diferentes formatos que estarão armazenados em ambientes virtuais, onde poderão ser analisados e utilizados de forma otimizada pelas organizações.

Alguns dos principais benefícios do serviço é a possibilidade de manter seus dados mais seguros, armazenar arquivos de maneira flexível e adaptável, acessar às aplicações através de qualquer dispositivo ou lugar e realizar o pagamento de acordo com o espaço utilizado.

Clique e conheça mais sobre o serviço de cloud computing e as vantagens dessa tecnologia.

Cloud Computing e Big Data

Ao analisar as funções das duas tecnologias e os benefícios que elas oferecem às empresas, verifica-se que ambas são complementares e, quando utilizadas em conjunto, trazem vantagens competitivas para as organizações.

Considerando que, em qualquer ramo de atuação, além de coletar, armazenar e compartilhar informações na rede, é importante também entender os resultados das ações tomadas pela empresa e como o público reage perante essas mensagens enviadas, o Cloud Computing e Big Data são as ferramentas mais úteis para obter destaque no mercado.

Por meio disso, as empresas ganham mais agilidade para tomar decisões e assumir novos posicionamentos, caso identifique mudanças no perfil do consumidor, resultados negativos ou, até mesmo, falhas no processo implantado.

A partir das informações fornecidas no artigo, você já deve saber o quanto o Cloud Computing e Big Data podem ser serviços benéficos para a sua empresa. Então, não perca tempo! Adote agora mesmo os serviços e otimize seu fluxo de trabalho.

Quer saber como migrar um servidor para nuvem com eficiência? Leia um artigo com 8 dicas.

Ficou alguma questão ou quer saber mais sobre os serviços da Woclo? Acesse o nosso site ou deixe uma mensagem nos comentários.

O que é computação cognitiva e quais benefícios essa tecnologia traz?

A realidade das máquinas a cada dia sofre transformações. Hoje, os computadores, que antes apenas executavam tarefas pré-programadas, estão ganhando a capacidade de reservar informações e utilizá-las em atividades futuras de forma automática.

Sobre isso, é importante entender o que é computação cognitiva, um recurso que utiliza sistemas inteligentes de computação para imitar algumas habilidades do cérebro humano como, por exemplo, reconhecer padrões e processar linguagens.

Para saber mais sobre o conceito, suas aplicações e benefícios, acompanhe o artigo.

O que é computação cognitiva e quais benefícios essa tecnologia traz?

O que é computação cognitiva?

Devido ao alto volume de arquivos inseridos e transmitidos nos computadores e sistemas tradicionais, durante o crescimento do uso da internet, surgiram inúmeros problemas relacionados à interpretação de dados, até então, desconhecidos às soluções disponíveis na época.

A partir disso, houve a necessidade de buscar novas tecnologias capazes de extrair o significado dos dados de forma dinâmica e, ainda, tratá-los e utilizá-los de maneira otimizada.

Assim, nasceu a computação cognitiva, o estudo feito a partir das funções do cérebro humano e dos mecanismos da ciência da computação, para desenvolver sistemas tecnológicos aptos a adquirirem conhecimento através das experiências realizadas e das informações recebidas.

Diferença entre computação cognitiva, inteligência artificial e machine learning

Embora os termos caminhem lado a lado, no que diz respeito às inovações tecnológicas, é importante frisar as principais diferenças entre eles:

  • Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial (IA) utiliza dispositivos para imitar atividades naturais do ser humano, como o reconhecimento de voz e visão, o processamento de linguagem natural, a robótica, a otimização matemática, a computação neural, entre outros recursos.

  • Machine Learning

Já o Machine Learning é a ideia de que máquinas podem aprender sozinhas, a partir de padrões de dados e análises estatísticas. Com o estudo são criados mecanismos que oferecem respostas precisas ao usuário, com a menor chance de erro, sem a interferência humana.

  • Computação cognitiva

Agora, falando sobre a computação cognitiva, ela dá mais potência à Inteligência Artificial e ao Machine Learning, pois tem como o objetivo utilizar os benefícios dessas duas inovações de uma forma ainda mais eficaz.

Esse recurso permite que os dados sejam processados tal como o cérebro humano e, assim, consegue propor caminhos e soluções inteligentes para resolver problemas complexos.

Aplicações da computação cognitiva

Considerando a grande quantidade de dados e informações que uma empresa precisa gerenciar e os cuidados que deve assumir para que nada seja danificado, é imprescindível adotar sistemas de análises mais eficazes do que os tradicionais.

Assim, a computação cognitiva através da mineração dos dados, processamento de linguagem e a aprendizagem de máquinas poderá ser usada para identificar esses pontos de riscos.

Outro ponto é o excelente desempenho da tecnologia para fazer buscas rápidas em meio à muitos arquivos. Desse modo, a organização pode usá-la para ler e-mails, pesquisar sobre assuntos específicos na internet, ler artigos para obter informações e, a partir disso, manter seus serviços atualizados em relação às tendências do mercado.

Além disso, as aplicações desenvolvidas com base na computação cognitiva podem obter conhecimento conversando com pessoas, fazendo perguntas e formulando soluções e orientações que poderão ser aplicadas em ações posteriores.

Vale ressaltar que quanto mais o sistema cognitivo é usado, mais preciso e de melhor qualidade são seus resultados.

O recurso já vem sendo utilizado em diversos setores – financeiro, educação, saúde, varejo, entre outros -, que estão em busca de um serviço personalizado e adequado aos seus clientes.

Benefícios da tecnologia para empresas

Agora que sabe o que é computação cognitiva e as aplicações dessa tecnologia nas empresas, está na hora de conhecer os benefícios que ela traz para as organizações.

  • Uso de linguagem natural

Para dar mais humanidade às aplicações e incentivar os usuários a interagirem com elas, é possível adotar uma linguagem natural e comum nas interfaces da computação cognitiva.

Um case de sucesso a respeito disso é a empresa Go Moment, que para otimizar o atendimento oferecido aos seus hóspedes, desenvolveu em parceria com a IBM, um sistema que tira dúvidas, sugere pontos turísticos para o viajante visitar e conversa de maneira rápida e simples com o usuário.

  • Monitoramento de alto volume de informações

Outro benefício promovido pela computação cognitiva é a possibilidade de monitoramento de milhares de sensores incorporados ao meio em que vivemos, a fim de compreender situações adversas e propor mudanças.

A partir disso, foi criado o Watson Oncology, um programa feito para armazenar pesquisas de médicos especializados no tratamento do câncer, que funciona da seguinte forma: quando o paciente é diagnosticado, o profissional pode acessar um banco de dados, inserir as informações pertinentes e solicitar que um robô procure o melhor tratamento para cuidar daquele caso.

Um jeito prático para compartilhar conhecimento e agilizar a cura de doenças tão graves como o câncer.

  • Capacidade de decifrar dados não estruturados

Como já citamos ao longo do artigo, por meio de aplicações cognitivas é possível criar ferramentas que irão decifrar dados extraídos de e-mails, artigos científicos, textos e até chamadas telefônicas para buscar informações relevantes à empresa e padrões do público alvo.

  • Mobilidade das informações

Assim como a maioria das inovações tecnológicas, a computação cognitiva também leva as informações que recebe para a nuvem, por isso, todos os dados podem ser acessados de qualquer mídia, através de assistentes virtuais ou painéis digitais.

Dessa forma, o usuário consegue conversar, a qualquer hora, com uma máquina inteligente que vai tirar dúvidas e solucionar problemas, com o melhor conteúdo.

  • Prevenção de danos e riscos

Por último e não menos importante, a computação cognitiva é um recurso capaz de prever riscos e prevenir danos dentro das organizações.

Um exemplo do serviço foi a implementação do Watson, sistema de computação cognitiva da IBM, em uma corretora de seguros japonesa para realizar a análise de riscos no setor de atuação da empresa.

Após uma configuração inteligente, a solução pôde prever indícios de ameaças relacionados aos serviços da corretora e, assim, evitar prejuízos futuros.

Com todas as informações fornecidas até aqui, esperamos que tenha esclarecido o que é computação cognitiva e se interessado ainda mais pelo assunto.

8 benefícios do cloud computing para a escalabilidade de banco de dados

De modo geral, escalabilidade é o termo usado para designar algo que tem a capacidade de expandir seu tamanho, de forma uniforme, sem perder qualidade ou nível de desempenho.

Aplicando o conceito ao cloud computing é quando há flexibilidade na infraestrutura do servidor para aumentar a quantidade de dados e aplicações em nuvem, de forma automática, sem que os outros arquivos sejam prejudicados.

Para entender mais sobre o assunto e conhecer as vantagens do cloud computing em relação à escalabilidade de banco de dados, continue a leitura do artigo.

8 benefícios do cloud computing para a escalabilidade de banco de dados

1. Redução de investimentos

O primeiro benefício ao optar por um sistema escalável é evitar gastos desnecessários, pois o serviço possibilita que as empresas paguem apenas por aquilo que consumirem e que os recursos sejam otimizados somente quando existir necessidade.

Além disso, a empresa pode calcular com facilidade seus custos, já que a maior parte dos fornecedores cobram mensalidades fixas pelo provedor do serviço.

Outro ponto é que a migração dos arquivos é realizada no ambiente online, o que reduz investimentos com infraestrutura, equipamentos, equipe de colaboradores e tempo de espera para conclusão da tarefa.

2. Elasticidade

Uma palavra diretamente ligada a escalabilidade é a elasticidade, que, como podemos supor, define a capacidade do armazenamento em nuvem em sofrer o efeito de um elástico.

Em outras palavras, o sistema possui uma estrutura dinâmica e automática que possibilita a companhia aumentar ou diminuir o processamento de dados e arquivos de acordo com o seu fluxo de trabalho.

Esse recurso é muito utilizado, por exemplo, em sites de e-commerce quando há campanhas para aumento de vendas – assim que o número de visitantes na plataforma aumenta, a elasticidade do servidor em nuvem faz com que tudo continue funcionando normalmente.

3. Atualizações de hardware

O terceiro motivo para quem deseja melhorar a escalabilidade dos dados ao adotar o cloud server é o fato do serviço livrar a empresa de realizar atualizações do data center.
Um servidor local tem uma vida útil que varia de 3 a 5 anos, sendo necessárias trocas periódicas que envolve custos extras, horas de trabalho, testes/homologações e novas configurações. No caso do serviço em nuvem, essa responsabilidade é exclusivamente do fornecedor, isentando o cliente destas atividades.

4. Resultados estratégicos

A partir dos dados e configurações armazenados em um servidor em nuvem a empresa tem acesso a, por exemplo, um perfil mais detalhado do cliente que ela atende, o número de visitantes do seu site, a quantidade de vendas, entre outras informações.

Assim, os resultados gerados são mais assertivos e isso favorece a implantação de projetos inovadores e tecnológicos para aprimorar ainda mais as atividades da empresa.

5. Ganhos qualitativos

Ao padronizar os processos e mapear as atividades da sua empresa na nuvem, você diminui as chances de erros e consegue identificar e prevenir obstáculos operacionais, que ao longo do tempo poderiam prejudicar a qualidade do seu trabalho e impedir o crescimento da organização.

Ainda, com a escalabilidade de banco de dados esse método pode ser aplicado de maneira contínua, automaticamente, aumentando assim as oportunidades da companhia em melhorar suas vendas, expandir a qualidade dos seus serviços e gerar novos negócios.

6. Maximização de recursos

Considerando que, hoje em dia, temas como sustentabilidade, recursos naturais e consumo consciente são cada vez mais obrigatórios dentro das organizações, a escalabilidade em nuvem tem como vantagem ser uma ferramenta benéfica ao meio ambiente.

Em um sistema virtual o consumo de energia é bem menor e, devido ao armazenamento ser totalmente online, não há a necessidade de investir na compra de equipamentos físicos.

Além disso, como o serviço sofre o efeito elástico quando é preciso aumentar a capacidade de armazenamento de dados, você não precisa adquirir novas peças de substituição.

7. Segurança

Um dos principais benefícios do cloud server é a segurança que ele traz para os arquivos hospedados na nuvem. Assim, mesmo que ocorra algum problema ou incidente na conexão utilizada, as aplicações serão recuperadas em sua forma original.

Isso previne a perda de dados importantes, informações sigilosas ou processos que interferem no faturamento da organização.

8. Mobilidade

Sobre a mobilidade, dois pontos podem ser abordados: a facilidade de acesso aos dados por toda equipe virtualmente e o trabalho colaborativo que essa configuração permite.

Quando os arquivos são mantidos em nuvem os colaboradores da sua empresa podem acessá-lo através de qualquer dispositivo, independente do lugar que eles estiverem. Isso exclui a necessidade de equipamentos específicos e torna a comunicação ilimitada.

Também, com o cloud computing você consegue agilizar os processos dentro da organização, já que o contato com todos os integrantes acontecerá com maior facilidade.

Como foi dito no artigo, a escalabilidade de dados em nuvem traz vantagens únicas para a sua empresa e você pode utilizar o serviço de diversas formas para aprimorar seu fluxo de trabalho e conquistar novos negócios.

Quer saber como implantá-lo? Conheça 8 dicas para migrar o servidor para nuvem com eficiência.

Load More Posts